quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Conseguirá Obama?

Decorre em Denver a Convenção Democrata, que visa a nomeação do candidato deste partido às eleições presidenciais americanas.
O escolhido no campo Democrata, após meses de estrénue discussão política (à maneira americana, com algumas jogadas de baixo nível e um escrutínio milimétrico dos passados e presentes dos diversos candidatos nas Primárias, de um e de outro partido), será Barak Obama, que escolheu como candidato a vice-presidente Joe Biden.
Ambos serão confirmados perante os delegados eleitos ao longo dos últimos meses, não sem alguma tensão, motivada pela "desistência que não o é" de Hillary Clinton: mantendo a chama acesa para uma possível escolha presidencial em 2012 (caso McCain vença este ano), o seu discurso, politicamente bem preparado, revelando dotes de oratória que os longos anos de sombra de Bill Clinton não permitiram conhecer no seu todo, era simultaneamente de agradecimento às centenas de apoiantes e delegados que estavam presentes e reforço da posição democrata na corrida eleitoral.
Eis o discurso de Hillary, na íntegra:
"I am honored to be here tonight. I'm here tonight as a proud mother. As a proud Democrat. As a proud senator from New York. A proud American. And a proud supporter of Barack Obama.
My friends, it is time to take back the country we love.
And whether you voted for me, or voted for Barack, the time is now to unite as a single party with a single purpose. We are on the same team, and none of us can afford to sit on the sidelines.
This is a fight for the future. And it's a fight we must win together.
I haven't spent the past 35 years in the trenches advocating for children, campaigning for universal health care, helping parents balance work and family and fighting for women's rights here at home and around the world . . . to see another Republican in the White House squander our promise of a country that really fulfills the hopes of our people.
And you haven't worked so hard over the last 18 months, or endured the last eight years, to suffer through more failed leadership.
No way. No how. No McCain.
Tonight I ask you to remember what a presidential election is really about. When the polls have closed, and the ads are finally off the air, it comes down to you -- the American people and your lives, and your children's futures.
For me, it's been a privilege to meet you in your homes, your workplaces and your communities. Your stories reminded me that everyday America's greatness is bound up in the lives of the American people -- your hard work, your devotion to duty, your love for your children, and your determination to keep going, often in the face of enormous obstacles.
You taught me so much and you made me laugh, and yes, you even made me cry. You allowed me to become part of your lives. And you became part of mine.
I will always remember the single mom who had adopted two kids with autism. She didn't have health insurance and discovered she had cancer. But she greeted me with her bald head painted with my name on it and asked me to fight for health care for her and her children.
I will always remember the young man in a Marine Corps T-shirt who waited months for medical care and he said to me: "Take care of my buddies; a lot of them are still over there, and then will you please take care of me?"
I will always remember the young boy who told me his mom worked for the minimum wage and that her employer had cut her hours. He said he just didn't know what his family was going to do.
I will always be grateful to everyone from all 50 states, Puerto Rico and the territories, who joined our campaign on behalf of all those people left out and left behind by the Bush administration.
To my supporters, to my champions -- to my sisterhood of the traveling pantsuits -- from the bottom of my heart: Thank you.
Thank you because you never gave in. You never gave up. And together we made history.
Along the way, America lost two great Democratic champions who would have been here with us tonight. One of our finest young leaders, Arkansas Democratic Chair Bill Gwatney, who believed with all his heart that America and the South should be Democratic from top to bottom.
And Congresswoman Stephanie Tubbs Jones, a dear friend to many of us, a loving mother, a courageous leader who never gave up her quest to make America fairer and smarter, stronger and better. Steadfast in her beliefs, a fighter of uncommon grace, she was an inspiration to me and to us all.
Our heart goes out to Stephanie's son, Mervyn Jr., and Bill's wife, Rebecca, who traveled to Denver to join this family of Democrats.
Now Bill Gwatney and Stephanie Tubbs Jones knew that after eight years of George Bush, people are hurting at home, and our standing has eroded around the world. We have a lot of work ahead.
Jobs lost, houses gone, falling wages, rising prices. The Supreme Court in a right-wing headlock and our government in partisan gridlock. The biggest deficit in our nation's history. Money borrowed from the Chinese to buy oil from the Saudis.
Putin and Georgia, Iran and Iraq.
I ran for president to renew the promise of America. To rebuild the middle class and sustain the American Dream, to provide the opportunity to those who were willing to work hard and have that work rewarded, to save for college, a home and retirement, to afford the gas and groceries and still have a little left over each month.
To promote a clean energy economy that will create millions of green-collar jobs.
To create a health care system that is universal, high quality, and affordable so that every single parent knows their children will be taken care of.
We want to create a world class education system and make college affordable again.
To fight for an America defined by deep and meaningful equality - from civil rights to labor rights, from women's rights to gay rights, from ending discrimination to promoting unionization to providing help for the most important job there is: caring for our families. And to help every child live up to his or her God-given potential.
To make America once again a nation of immigrants and of laws.
To restore fiscal sanity to Washington and make our government an instrument of the public good, not of private plunder.
To restore America's standing in the world, to end the war in Iraq, bring our troops home with honor, care for our veterans and give them the services they have earned.
We will work for an America again that will join with our allies in confronting our shared challenges, from poverty and genocide to terrorism and global warming.
Most of all, I ran to stand up for all those who have been invisible to their government for eight long years. Those are the reasons I ran for president, and those are the reasons I support Barack Obama for president.
I want you to ask yourselves: Were you in this campaign just for me? Or were you in it for that young Marine and others like him? Were you in it for that mom struggling with cancer while raising her kids? Were you in it for that young boy and his mom surviving on the minimum wage? Were you in it for all the people in this country who feel invisible?
We need leaders once again who can tap into that special blend of American confidence and optimism that has enabled generations before us to meet our toughest challenges. Leaders who can help us show ourselves and the world that with our ingenuity, creativity and innovative spirit, there are no limits to what is possible in America.
Now, this will not be easy. Progress never is. But it will be impossible if we don't fight to put a Democrat back into the White House.
We need to elect Barack Obama because we need a president who understands that America can't compete in the global economy by padding the pockets of energy speculators while ignoring the workers whose jobs have been shipped overseas. We need a president who understands that we can't solve the problems of global warming by giving windfall profits to the oil companies while ignoring opportunities to invest in the new technologies that will build a green economy.
We need a president who understands that the genius of America has always depended on the strength and vitality of the middle class.
Barack Obama began his career fighting for workers displaced by the global economy. He built his campaign on a fundamental belief that change in this country must start from the ground up, not the top down. And he knows government must be about "We the people" not "We the favored few."
And when Barack Obama is in the White House, he'll revitalize our economy, defend the working people of America, and meet the global challenges of our time. Democrats know how to do this. As I recall, we did it before with President Clinton and the Democrats. And if we do our part, we'll do it again with President Obama and the Democrats.
Just think of what America will be as we transform our energy agenda by creating millions of green jobs and building a new, clean energy future. Get middle class families get the tax relief they deserve. And I cannot wait to watch Barack Obama sign into law a health care plan that covers every single American.
And we know that President Obama will end the war in Iraq responsibly and bring our troops home and begin to repairing our alliances around the world.
And Barack will have with him a terrific partner in Michelle Obama. Anyone who saw Michelle's speech last night knows she will be a great First Lady for America.
And Americans are fortunate that Joe Biden will be at Barack Obama's side. A strong leader, a good man, who understands both the economic stresses here at home and the strategic challenges abroad. He is pragmatic, tough, and wise. And, of course, Joe will be supported by his wonderful wife, Jill.
They will be a great team for our country.
Now, John McCain is my colleague and my friend.
He has served our country with honor and courage.
But we don't need four more years of the last eight years.
More economic stagnation and less affordable health care.
More high gas prices and less alternative energy.
More jobs getting shipped overseas and fewer jobs created here at home.
More skyrocketing debt and home foreclosures and mounting bills that are crushing our middle class families.
More war and less diplomacy.
More of a government where the privileged come first and everyone else comes last.
Well, John McCain says the economy is fundamentally sound. John McCain doesn't think that 47 million people without health insurance is a crisis. John McCain wants to privatize Social Security. And in 2008, he still thinks it's OK when women don't earn equal pay for equal work.
Now, with an agenda like that, it makes perfect sense that George Bush and John McCain will be together next week in the Twin Cities. Because these days they're awfully hard to tell apart.
You know, America is still around after 232 years because we have risen to every challenge and every new time, changing to be faithful to our values of equal opportunity for all and the common good.
And I know what that can mean for every man, woman, and child in America. I'm a United States Senator because in 1848 a group of courageous women and a few brave men gathered in Seneca Falls, New York, many traveling for days and nights, to participate in the first convention on women's rights in our history.
And so dawned a struggle for the right to vote that would last 72 years, handed down by mother to daughter to granddaughter - and a few sons and grandsons along the way.
These women and men looked into their daughters' eyes and imagined a fairer and freer world, and found the strength to fight. To rally and picket. To endure ridicule and harassment and brave violence and jail.
And after so many decades - 88 years ago on this very day - the 19th amendment giving women the right to vote became enshrined in our Constitution.
My mother was born before women could vote. My daughter got to vote for her mother for president.
This is the story of women and men who defy the odds and never give up.
How do we give this country back to them?
By following the example of a brave New Yorker , a woman who risked her life to bring slaves along the Underground Railroad.
On that path to freedom, Harriet Tubman had one piece of advice.
If you hear the dogs, keep going.
If you see the torches in the woods, keep going.
If they're shouting after you, keep going.
Don't ever stop. Keep going.
If you want a taste of freedom, keep going.
And even in the darkest of moments, that is what Americans have done. We have found the faith to keep going.
I've seen it . I've seen it in our teachers and firefighters, nurses and police officers, small business owners and union workers, I've seen it in the men and women of our military. In America, you always keep going.
We are Americans. We're not big on quitting.
But remember, before we can keep going, we have to get going by electing Barack Obama the next president of the United States.
We don't have a moment to lose or a vote to spare.
Nothing less than the fate of our nation and the future of our children hangs in the balance.
I want you to think about your children and grandchildren come Election Day. Think about the choices your parents and grandparents made that had such a big impact on your life and on the life of our nation.
We've got to ensure that the choice we make in this election honors the sacrifices of all who came before us, and will fill the lives of our children with possibility and hope.
That is our duty, to build that bright future, to teach our children that, in America, there is no chasm too deep, no barrier too great, no ceiling too high for all who work hard, who keep going, have faith in God, in our country, and each other.
That is our mission, Democrats. Let's elect Barack Obama and Joe Biden for that future worthy of our great country.
Thank you. God bless you, and Godspeed."
A digestão do resultado foi lenta, passível de críticas de muitos sectores democratas pela fragilização de Barak Obama, pois não foi possível conjugar as hostes quando o desfecho das primárias estava traçado (Hillary Clinton tentou sempre manter uma réstia de oportunidade aberta...). Barak Obama convidou-a a discursar, pois sabe o peso que a senadora de Nova Iorque terá nos resultados: basta dizer que Obama e McCain surgem tecnicamente empatados nas sondagens de intenção de voto e cerca de 20% dos 18 milhões de confessos apoiantes de Hillary Clinton manifestam a intenção de não votar em Obama (já para não falar do spot publicitário de McCain, em que uma apoiante, democrata, de Hillary diz que votará naquele...).
A questão coloca-se: conseguirá Obama?

segunda-feira, 25 de agosto de 2008


No dia 11 de Fevereiro de 2007 teve lugar o referendo relativo à despenalização da interrupção voluntária da gravidez, quando realizada, por opção da mulher, nas primeiras dez semanas, em estabelecimento de saúde legalmente autorizado; o resultado é de todos conhecido, tendo a resposta "Sim" obtido 59,25% dos votos e a resposta "Não" 40,75%.
Algumas das profecias avançadas pelos defensores da resposta "Não", como sejam a libertinagem das interrupções de gravidez, a perda de respeito pela vida humana, não se verificaram de todo.
Todavia, pouco ou nada se fez (porque será...) pela efectivação da educação sexual ao nível do ensino formalizado, e ainda não foram tomados passos importantíssimos para evitar que uma mulher que seja se veja perante a dilacerante opção de pôr termo à sua gravidez.
É público que fui defensor da resposta "Sim", tendo feito campanha nesse sentido e tomado a iniciativa de organizar um debate sobre a questão; mas não me posso mostrar satisfeito com o "day after", visto a sociedade não ter tomado em mãos um assunto desta importância.
Nem abandonado a demagogia.
"Vamos rezar o terço por todas as vítimas do aborto": esta mensagem foi difundida, via sms e correio eletrónico, para formar uma concentração junto aos hospitais de Faro, Portimão, Leiria, Guimarães e Braga pelas 21 horas de hoje.
Em Lisboa, a concentração está marcada para junto da Clinica De los Arcos, dada a conhecer, sobretudo antes do referendo, pelas mulheres portuguesas com condições financeiras de se deslocar a um estabelecimento de saúde com condições e pessoal médico preparado para levar a cabo as interrupções de gravidez, sobretudo com a garantia da componente psicológica.
Há já três meses que estas menifestações colectivas, nas quais se reza o terço, são organizadas nas imediações de estabelecimentos de saúde, públicos e privados; tudo impulsionado por um dos movimentos contrários à despenalização da interrupção da gravidez.
Não se bastam com os lusos: no Algarve também convocam os turistas a juntar-se à causa.
"Tragam um terço e uma vela com copo. Passem a palavra a quantos estejam solidários com a Causa da Vida, a sacerdotes e leigos, a grupos de jovens e outros movimentos da Igreja".
As manifestações decorrem dentro das formalidades tendentes a garantir a ordem pública, pelo que nada pode ser apontado quanto à realização das mesmas.
Apenas um reparo indirecto: não sou católico, mas custa-me ver que haja uma absoluta colagem entre a imagem dos crentes e estes movimentos; da mesma forma que católicos votaram "Sim", agnósticos, ateus e crentes de outras religiões votaram "Não". Felizmente o voto é a expressão das convicções pessoais de cada um.
O que me desagrada é que continue a demagogia de erigir os defensores do "Não" como contrários ao valor da vida humana: ano e meio volvido, continuamos na mesma?!
Na democracia temos que aceitar os resultados, quaisquer que eles sejam; e, contrários às nossas convicções, temos todo o direito (e dever moral) de nos manifestarmos contrários ao rumo escolhido, procurando convencer os votantes do bem-fundado da nossa razão.
O que não se mostra admissível é faltar ao respeito: pelas opiniões dos outros, pelas suas convicções profundas, pelas suas opções.
Nestes como noutros assuntos.
Num e noutro campo.

sexta-feira, 22 de agosto de 2008


O relatório de 2007 do Eurofund (Fundação Europeia para a melhoria das condições de vida e de trabalho), relativo aos aumentos salariais nos países da União Europeia, foi publicado, mostrando-nos dados inadmissíveis no que à questão da igualdade de género (e de idades) diz respeito: Em 2007, na União Europeia, as trabalhadoras ganhavam, em média, menos 15,9% do que os trabalhadores.
Os dados portugueses são chocantes: em 2007 as trabalhadoras portuguesas receberam, como contraprestação do seu trabalho, em média, apenas 74,6% do vencimento auferido pelos homens! Na Espanha, no nosso quadrante geográfico e cultural, as mulheres ganhavam, em média, 89% do auferido pelos homens, sendo que na Grécia a percentagem sobe para os 90%. mesmo atendendo ao facto dos dados da Grécia serem relativos a 2006, a diferença é abismal, sendo que diferença alguma é admissível.
Na União Europeia a 27 apenas a Eslováquia apresenta resultados mais vergonhosos que o português, sendo que a Eslovénia é o pais em que a diferença entre sexos é menor, 93,1%.
Diferença sexista inadmíssivel, como dissemos: os diplomas legais existem, com eles as implicações legais do desrespeito pelas normas, mas a mentalidade mantém-se.
Sendo certo que a diferença de vencimentos entre sexos tem vindo a decrescer, na União Europeia, desde 2005, baixando quase 10 pontos percentuais relativos, certo é que a diferença diminui muito lentamente, verificando-se mesmo ligeiros aumentos (casos da Alemanha, malta, República Checa e Portugal).
Num país em que o emprego é precário em muitos sectores, caoss preocupantes são os de jovens e mulheres: as últimas pela pretensa (na perspectiva do patronato) fragilidade e deficiência produtiva (aliado à visão retrógrada e retorcida que uma mulher é mãe, dona de casa, educadora, pelo que a função de trabalhadora sairá prejudicada...), os primeiros por serem "carne para canhão" muito fresca e em quantidade tal que a reduzida procura esmaga a imensa oferta, podendo mesmo manipular-se este sistema de (teórico) equilíbrio de valores sem dificuldades de maior.
Uma das maiores conquistas do 25 de Abril foi, a meu ver, relativo á condição feminina: as mulheres passaram a poder ser, não apenas o que queriam mas também o que não conheciam; no plano meramente formal o avanço português dá palma na Europa eno mundo, pelo muito que se cresceu em tão pouco tempo (três décadas...). Demasiado se encontra por fazer.
E dados destes reforçam a conclusão.
"Alea acta est".

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

Mais uma deriva

Mais um presente: cada vez que o senhor profere um discurso, mais um título de jornal.
Agora admite a criação de um novo partido político, com uma matriz ideológica tão vasta como o Saara, combatendo os mauzões de Lisboa, visto que na oposição portuguesa organizada formalmente através de partidos políticos apenas o PCP é sério e credível...
Porque o Partido Socialista se está a transformar na União Nacional....
Comentar nem vale a pena; apenas chamar a atenção: era por isto que Alberto João Jardim estava quase nos braços de Pedro Santana Lopes, outra mina de ouro para a comunicação social, adepto de um novo espaço no espectro político-partidário?
Ou, de forma séria, não estaremos perante mais um ataque ao porta-aviões, mais um recado interno, mais um "agarra-me senão vou a ela"? Sim, porque tentativas de derivas partidárias em Portugal são conhecidas pelo sucesso...

quinta-feira, 14 de agosto de 2008


Responsáveis políticos polacos e americanos preparam-se para assinar, em Varsóvia, capital polaca, o acordo que permitirá aos Estados Unidos da América, em mais uma decisão "à la Bush", instalar na Polónia, primeiro de vários estados europeus, um sistema de protecção do solo americano composto por rampas de mísseis de intercepção.
A celebração do acordo foi antecipada, sendo que o sistema estará activado na totalidade em 2012.
Foi mais um passo no plano americano, que contempla a colocação de misseís em mais estados europeus e de radares, o que já foi feito, há sensivelmente um mês, na República Checa.
Tendo em conta a ofensiva russa na Ossétia e Geórgia, paredes meias com a Polónia, "one wonders...".

quarta-feira, 13 de agosto de 2008

O preço...

Cessar fogo na Ossétia, sim.
Mas a que preço? Humilhando um estado independente, bombardeando alvos civis (incluindo hospitais), reduzindo a quase nula a capacidade de defesa georgiana.
E o papel de Sarkozy?! Tanta soberba apresenta o galanteador gaulês, mas baixou a cabeça em acto de contrição. Ter o Ministro dos Estrangeiros francês a exigir que o que foi negociado tem que ser transformado em Resolução da ONU para se tornar juridicamente vinculativo é escarnecer do sofrimento de dezenas de milhares; tanta fleuma...
"Dove é" Durão Barroso? Para aqueles que não se recordam, Presidente da Comissão Europeia...
A Federação Russa sai claramente vencedora da contenda: afirmou o seu poderio geo-estratégico, pôs em sentido União Europeia e Estados Unidos da América, retomou as rédeas do status quo.

Desconstrução e Construção

Há 47 anos começava a construção de um marco que fiou conhecido como o Muro de Berlim: mais do que a barreira física, a barreira social e política, separando uma cidade e dois mundos.
No final da 2ª Grande Guerra, com a partilha dos despojos pelos principais estados Aliados, a cidade de Berlim foi dividida por sectores, colocados sobre duas esferas de influência diversas, originando dois estados na antiga Alemanha: a RFA, pró-ocidental e capitalista, e a RDA, pró-soviética e pró-socialista de estado, integrando o Pacto de Varsóvia.
Ficaram célebres as tentativas de fugas desesperadas de cidadãos da RDA, procurando asilo do racionamento, da plenipotente regulaçao da sua vida diária, dos desmandos de poder: basta pensar que o regime da RDA foi defensor da acção soviética em Praga...Um regime que, e porque a época é de ode ao desporto, de forma a perpetuar o poder e reforçá-lo perante o exterior, não se coibiu de recorrer a um programa de dopagem que provocou até alterações de sexo entre praticantes, abortos espontâneos em atletas, alterações hormonais profundas...
Na data era chanceler da RFA Konrad Adenaur, destacado político democrata-cristão, preso num campo de concentração nazi como opositor ao regime, pró-europeu e pró-ocidental.
Era Willy Brandt presidente da Câmara de Berlim: um dos rostos maiores da social-democracia europeia, tornar-se-ia chanceler alemão em 1969, mantendo-se no exercício do cargo durante 5 anos; galardoado com o Prémio Nobel da Paz (ficará sempre na memória o ajoelhar dele em Varsóvia perante o memorial às vítimas do Gueto construído pelo regime nazi), pacificador (encontrou-se com Yasser Arafat, Goarbachov, Saddam Hussein e o homólogo da RDA, Erich Honecker), presidente da Internacional Socialista.
Anos a fio foram famílias separadas, vidas destruídas e impedidas da felicidade por causa de um muro: intransponível, as centenas de pessoas que o tentaram escalar acabaram mortas ou presas (a pena era, no mínimo, de 2 anos de prisão). Décadas a fio os cidadãos da RDA, sobretudo os berlinenses, viam o progresso social e económico dos seus vizinhos e conterrâneos, do mesmo não podendo comungar, subjugados a uma noção estatizante e plenipotenciária de governo, à imagem de Moscovo e dos seus satélites: com uma polícia de estado, a Stasi, cujos atropelos aos direitos humanos são por demais conhecidos e ainda hoje se vão progressivamente conhecendo.
O Muro de Berlim caíu a 9 de Novembro de 1989: assisti ao acto, lembrando-me da felicidade espelhada na face de milhares de berlinenses, ávisos de liberdade!
Recordo pessoas em cima de trechos de muro com simples escopos, quebrando milimetricamente as grilhetas do passado, com uma força sobre-humana que a verdade e a razão dão aos justos.
E duas imagens simbólicas: quando dezenas de populares, prendendo uma corda a um pedaço maior de muro, o derrubaram, com a poeira a encher-lhes a alma, e as dezenas de milhares de pessoas nas Portas de Brandenburgo, símbolo eterno de liberdade, outrora inacessível a todos os alemãos orientais, como a todos os cidadãos dos países do Pacto de Varsóvia.
A influência da queda do Muro foi enorme: conhecemos o desmoronar do regime soviético, a Perestroika de Mickhail Gorbachov, o fim da URSS, o aparecimento de novos estados no Báltico, Cáucaso, Urais, na zona ocidental asiática.
A História não fez jus à acção de Gorbachov: um Prémio Nobel da Paz, mas o desprezo dos seus concidadãos, a vergonha da sua deposição, o estilhaçar do seu contributo para a democracia.
O Muro de Berlim permaneceu erguido 28 anos: produto de uma época instável, de conflito latente, que por pouco não desembocou em mais um conflito de escala mundial, com recurso a armas nucleares.
Existe, em Berlim, um Memorial ao Muro: que nunca deixe de existir.
Pois as grilhetas do passado jamais poderão abraçar os pulsos do futuro.

terça-feira, 12 de agosto de 2008


Os Jogos Olímpicos sempre marcaram uma época de união entre povos, permitindo mesmo, num acordo tácito entre chefes de estado e chefias militares, suspender conflitos e acções armadas.
Vladimir Putin, ex-presidente da Federação Russa, agora primeiro-ministro, encontrava-se em Pequim, na cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos de 2008, sorridente e deliciado; enquanto as tropas russas iniciavam um bombardeamento massivo, atingindo alvos civis, na luta por um território que dá pelo nome de Ossétia, disputado com a Geórgia, ex-república soviética.
Ainda se mantêm as acções militares, não obstante o apelo ao cessar-fogo; apesar de ter sido anunciado o início de negociações para a abertura de corredores de emergência, permitindo o socorro de civis e o acesso destes a comida e água potável, tropas russas bombardearam mesmo o aeroporto da capital da Geórgia, desactivando alguns radares.
Discipulos de Kyssinger, alegrai-vos: este é um óptimo case-study de real-geopolitic! Logo os responsáveis ucranianos anunciaram a intenção de barrar o acesso dos vasos de guerra russos a águas ucranianas, impedindo-os assim de levarem a cabo um bloqueio naval do território invadido. Os Estados Unidos da América, públicos defensores do estado da Geórgia, exigiram imediato cessar-fogo.
E milhares de deslocados e centenas de mortos valem pouco...

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

O regresso!

Alguns dias de férias fazem maravilhas!
De volta, de baterias carregadas e com toda a determinação!